Seguidores

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Os três cabritinhos



Os três cabritinhos


Era uma vez três cabritinhos travessos que costumavam pastar numa colina onde havia um capim bem verdinho. Para se chegar lá, porém, tinham que atravessar uma ponte embaixo da qual morava uma bruxa terrível e horrorosa, que tinha um nariz curvo e comprido e uns olhos enormes, bem arregalados.
Um dia, quando o sol já se ia escondendo, lá foram os cabritinhos travessos pastar. Na frente, vinha o cabritinho mais novo atravessando a ponte: Trip, trap, trip, trap...
     - Quem está caminhando sobre a minha ponte? Rosnou a megera.
     - Sou eu, o cabritinho caçula. Vou pastar lá na colina para ficar bem gordinho, disse o menor de todos, com um fiozinho de voz.
     - Espera aí que já vou te devorar, respondeu a bruxa.
     - Oh, não, por favor! Eu sou tão magrinho, disse o caçula. Espere um pouco, que já vem aí o meu irmão mais velho, ele é muito maior do que eu.
       Ouvindo isto, a Bruxa resolveu esperar o outro cabritinho.
      "Trip, trap, trip, trap..."
      - Quem está passando na minha ponte?
      - Sou eu, o segundo cabritinho. Vou pastar lá na colina, para engordar um pouco.
      - Espera aí, já vou te comer.
      - Por favor, dona Bruxa, deixe-me passar. Lá vem vindo o        meu irmão mais velho. Ele é muito maior do que eu.
      A Bruxa ficou esperando.
     "Trip, trap, trip, trap..."
     - Quem está passando aí na minha ponte?
     - Sou eu, o maior dos cabritos.
     - Espera aí, vou te comer todo de uma vez.
     Mas, dessa vez a resposta foi bem diferente: - Venha, que sou bem valente! De bruxas não temo o berro. Pra isso, tenho bons dentes, E chifres que são de ferro!
     A Bruxa tentou agarrar o cabrito, mas ele não perdeu tempo: avançou sobre ela, empurrou-a com os chifres e atirou-a dentro do rio que passava em baixo da ponte. Depois, calmamente, foi reunir-se aos irmãos, no pasto da colina. Os três cabritinhos engordaram tanto, que mal puderam voltar para casa. Quanto à bruxa, nunca mais se ouviu falar nela.

http://2.bp.blogspot.com/-X8cqfAn41sw/Tr6SYtSLsSI/AAAAAAAACFg/NHIyqvi51gs/s320/SDC14889.JPG


sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

cálculos - envolvendo divisões

matemática - snd 3º ano

atividade de decomposição - snd

Molde de menino e menina para eva


caça palavras de objetos pessoais

Fui ao mercado comprar...

caça- palavras partes do corpo

Problema com sistema monetário

pontos cardeais e colaterais

calendário fevereiro e janeiro 2013

Atividade com o alfabeto

Atividades de alfabetização


calendário do mês de março e abril 2013




retirado do blog http://reridamaria.blogspot.com.br/






auto ditado

Quadro da centena com exploração

http://1.bp.blogspot.com/-6xUOI0dH5OU/USJNMvUl6yI/AAAAAAAAGGg/2OLL4W2dNJU/s1600/009.jpg

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Textos variados para avaliação 3/4º anos

 TEXTO 1

A Raposa e o Lenhador

Esopo

Uma raposa era perseguida por uns caçadores, quando viu um lenhador e suplicou que ele a escondesse. O homem então lhe aconselhou que entrasse em sua cabana.

De imediato chegaram os caçadores, e perguntaram ao lenhador se havia visto a raposa.

Com a voz ele disse que não, mas com sua mão disfarçadamente mostrava onde havia se escondido. Os caçadores não compreenderam os sinais da mão e se confiaram no que disse com as palavras.

A raposa, ao vê-los irem, saiu sem dizer nada. O lenhador a reprovou porque, apesar de tê-la salvo, não agradecera, ao que a raposa respondeu:

— Agradeceria se tuas mãos e tua boca tivessem dito o mesmo.

Moral da história: Não negues com teus atos, o que pregas com tuas palavras.

1) O nome da fábula é ___________________________ e o autor da fábula é _____________

2) Os personagens da fábula são _________________________________________________

3) O que o homem (lenhador) aconselhou à raposa?
_________________________________________________
4) Qual foi a pergunta que os caçadores fizeram para o lenhador?
_________________________________________________

5) O que você entendeu com a moral da história?
_________________________________________________

TEXTO 2 . Observe a seguinte tirinha e responda as perguntas.

1- “Quem cala consente!” significa:
(a ) Aquele que não se manifesta contra uma atitude concorda com ela.
(b ) O espelho não fala porque não tem boca.
(c ) O espelho costuma não falar a verdade.
(d ) Mônica é bonita.

2- A tirinha faz alusão a qual história de conto de fadas:
(a ) Chaupeuzinho Vermelho
(b ) A Bela Adormecida
(c ) Branca de Neve (d ) Cinderela

TEXTO 3
O louco e o pingüim

O louco acorda de manhã e encontra um pingüim no quintal. O vizinho do louco, que estava espiando pelo muro, faz uma sugestão:
- Por que você não leva o pingüim para o zoológico?
- Boa idéia! Vou levar.
No dia seguinte, o vizinho encontra o louco com o pingüim no colo.
- Ué!? Você não levou o pingüim para o zoológico?
- Levei, sim. Hoje vou levá-lo ao parque de diversões e amanhã vamos ao shopping center.
Fonte: “Meu primeiro livro de piadas”; Fizetto, Ângela - Editora Todo livro.

1- Leia novamente o trecho : “- Por que você não leva o pingüim para o zoológico?”

Ao dizer isso ao louco, o vizinho sugeria que:

(a ) O levasse para passear no zoológico.
(b ) O levasse para ver outros pingüins no zoológico.
(c ) O levasse para ser deixado aos cuidados do zoológico.
(d ) O levasse para brincar com outros animais no zoológico.

2- Por que o vizinho ficou supresso ao encontrar o louco com o pingüim no colo?

(a ) Porque não se coloca pingüim no colo.
(b ) Porque ele não gostou de ir ao zoológico.
(c ) Porque ele não levou o pingüim para passear no zoológico.
(d ) Porque o louco não entendeu o que ele tinha sugerido.

3- “Hoje vou levá-lo...” . Nesse trecho, “lo” se refere:

(a ) Ao louco.
(b ) O vizinho.
(c ) Ao pingüim.
(d ) Não se refere a ninguém.

4- A função desse texto é:

(a ) Informar como divertir um animal na cidade.
(b ) Fazer o leitor rir.
(c ) Instruir como cuidar de um pingüim.
(d ) Informar o leitor sobre onde levar um pingüim para passear.
TEXTO 4 - O lobo e a cabra

Um lobo, tendo visto uma cabra pastando numa montanha escarpada, e como não pudesse chegar até lá, pediu-lhe que descesse, pois, sem perceber, ela poderia cair de lá de cima. Disse ainda que o pasto onde ele estava era melhor, que a relva estava florida. Mas a cabra lhe respondeu : “ Não é em meu benefício que me chamas para o pasto, mas porque tu próprio estás sem alimento”.

Esopo: Fábulas completas. Tradução, introdução e notas de
Neide Cupertino de Castro Smolka. São Paulo: Moderna, 1994, p. 125.

1- De acordo com o texto, em relação ao lobo, pode-se afirmar que:

( A ) podia chegar até a montanha.
( B ) queria acompanhar a cabra.
( C ) estava sem alimento.
( D ) queria ajudar a cabra.

2– A cabra não atendeu a sugestão do lobo porque:

( A ) fingiu que não ouviu o lobo.
( B ) não concordou que o pasto era melhor.
( C ) percebeu que o lobo falava de uma coisa, mas queria outra.
( D ) ela não conseguiu descer do monte.

TEXTO 5 - O cão e seu reflexo

Um cão estava se sentindo muito orgulhoso de si mesmo. Achara um enorme pedaço de carne e a levava na boca, pretendendo devorá-lo em paz em algum lugar.

Ele chegou a um rio e começou a cruzar a estreita ponte que o levava para o outro lado. De repente, parou e olhou para baixo. Na superfície da água, viu seu próprio reflexo brilhando.

O cão não se deu conta que estava olhando para si mesmo. Julgou estar vendo outro cão com um pedaço de carne na boca.

Opa! Aquele pedaço de carne é maior que o meu, pensou ele. Vou pegá-lo e correr. Dito e feito. Largou seu pedaço de carne para pegar o que estava na boca do outro cão.

Naturalmente, seu pedaço caiu na água e foi parar bem no fundo, deixando-o sem nada.

MORAL: Quem tudo quer tudo perde.

1- O texto acima é:

( A ) Fábula
( B ) Conto de fadas
( C ) Propaganda
( D ) Notícia

2- O texto foi escrito com o objetivo principal :

( A ) anunciar um produto.
( B ) dar instruções.
( C ) transmitir ensinamento.
( D ) mostrar pesquisa.

3- O texto trata principalmente da:

( A ) coragem do cão.
( B ) fome do cão.
( C ) ambição do cão.
( D ) sabedoria do cão.

4- O fato que deu início a narrativa foi:

( A ) a grande fome do cão.
( B ) o sentimento de orgulho do cão.
( C ) a sombra que o cão viu no rio.
( D ) a ponte que o cão atravessou.

5- O cão largou seu pedaço de carne porque:

( A ) atravessou um rio procurando alguma coisa.
( B ) deixou que o pedaço menor fosse levado pelo rio.
( C ) ficou privado dos dois pedaços de carne.
( D ) julgou que o outro cão tinha um pedaço maior.

TEXTO 6 - Isso não está me cheirando bem

Imagine uma bolinha de neve no topo de uma montanha e quando ela chegar lá embaixo, vai ter virado um imenso bolão, não é? Isso é o que acontece com o lixo.
Cada um de nós, brasileiros, produz mais ou menos 500 gramas de lixo todos os dias. Parece pouco, mas é só fazer as contas. Todos os dias, esse lixo vira um bolão de milhões de toneladas! Só na cidade de São Paulo, são produzidas 12 mil toneladas por dia.
Para resolver esse problemão, a reciclagem é uma grande idéia! Na reciclagem, o lixo é tratado e será reaproveitado para fazer novos produtos.
Para reciclar, é preciso primeiro separar os tipos de lixo feitos de plástico, papel metal e vidro, que são materiais reaproveitáveis. É por isso que em alguns lugares a gente encontra aquelas lixeiras coloridas.

Suplemento “O Estadinho”, agosto/2006.

1- O texto foi escrito para:

(A) Informar as pessoas.
(B) Divertir as pessoas.
(C) Promover um produto.
(D) Dar um recado

2- Segundo o texto, cada brasileiro produz por dia:

(A) 200 g de lixo
(B) 300 g de lixo
(C) 500 de lixo.
(D) 1 kg de lixo.

3- Para solucionar este problema é preciso:

(A) Separar o lixo para reciclagem.
(B) Jogar o lixo nos lixões.
(C) Limpar o lixo dos rios.
(D) Produzir mais lixo.

4- De acordo com as informações do texto, o grande problema nas cidades é:

(A) A separação do lixo.
(B) A reciclagem do lixo.
(C) A produção de lixo.
(D) Decomposição do lixo.

A cegonha e a raposa- interpretação textual

                                                   

A Cegonha e a Raposa

Um dia a raposa, que era amiga da cegonha, convidou-a para um jantar. Mas preparou para a amiga uma porção de comidas moles, líquidas, que ela servia sobre uma pedra lisa.
Ora, a cegonha, com seu longo bico, por mais que se esforçasse só conseguia bicar a comida, machucando seu bico e não comendo nada. A raposa insistia para que a cegonha comesse, mas ela não conseguia, e acabou indo para casa com fome.
Então, a cegonha, em outra ocasião, convidou a raposa para jantar com ela.
Preparou comidas cheirosas e colocou em vasos compridos e altos, onde seu bico entrava com facilidade, mas o focinho da raposa não alcançava. Foi a vez da raposa voltar para casa desapontada e faminta.

MORAL: "Não faça aos outros o que não quer que lhe façam."

1- Quem são as personagens da fábula?
______________________________________

2- Por que a cegonha não conseguiu comer a comida que a raposa preparou?
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________

3- O que a cegonha fez para se vingar da raposa?
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________

4- Como a raposa voltou para casa?
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________

5- Qual o ensinamento da fábula A Cegonha e A Raposa?

( ) Que devemos nos vingar dos nossos inimigos.
( ) Que devemos convidar nossos amigos para jantar.
( ) Que devemos tratar os outros como desejamos ser tratados
( ) Que a cegonha não consegue comer em pratos lisos.

6- Qual o título do texto?
_______________________________________________________________

7- Quantos parágrafos têm este texto?
_______________________________________________________________

AVALIAÇÃO 4º ANO - Fábula: O cão e seu reflexo

 
 
 
 
 
 
O CÃO E SEU REFLEXO

Um cão estava se sentindo muito orgulhoso de si
mesmo. Achara um enorme pedaço de carne e a levava na boca, pretendendo devorá-lo em paz em algum lugar.
Ele chegou a um curso rio e começou a cruzar a estreita ponte que o levava para o outro lado. De repente, parou e olhou para baixo. Na superfície da água, viu seu próprio reflexo brilhando.
O cão não se deu conta que estava olhando para si mesmo. Julgou estar vendo outro cão com um pedaço de carne na boca.
Opa! Aquele pedaço de carne é maior que o meu, pensou ele. Vou pegá-lo e correr. Dito e feito. Largou seu pedaço de carne para pegar o que estava na boca do outro cão. Naturalmente, seu pedaço caiu n`água e foi parar bem no fundo, deixando-o sem nada.

MORAL: Quem tudo quer tudo perde.

Esopo: Fábulas completas

1- O cão largou seu pedaço de carne porque:

A- atravessou um rio procurando alguma coisa.
B- deixou que o pedaço menor fosse levado pelo rio.
C- ficou privado dos dois pedaços de carne.
D- julgou que o outro cão tinha um pedaço maior.

2- O texto foi escrito com o objetivo principal de:

A- anunciar um produto.
B- dar instruções.
C- transmitir ensinamento.
D- Mostrar pesquisa.

3- O texto trata principalmente da:

A- coragem do cão.
B- fome do cão.
C- ambição do cão.
D- sabedoria do cão.

4- O fato que deu início a narrativa foi:

A- a grande fome do cão.
B- o sentimento de orgulho do cão.
C- a sombra que o cão viu no rio.
D- a ponte que o cão atravessou.

Pinte as respostas que você assinalou acima no gabarito com muita atenção.
1
A
B
C
D
2
A
B
C
D
3
A
B
C
D
4
A
B
C
D

Pombinha Branca

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Fita métrica para imprimir e montar

Texto para reflexão _ Adversidades

TEXTO PARA REFLEXÃO: "CENOURA, OVO OU CAFÉ"

                                 CENOURA, OVO OU CAFÉ

Uma filha se queixou a seu pai sobre sua vida e de como as coisas estavam tão difíceis para ela.

Ela já não sabia mais o que fazer e queria desistir. Estava cansada de lutar e combater.
Parecia que assim que um problema estava resolvido um outro surgia.
Seu pai, um "chef", levou-a até a cozinha dele.
Encheu três panelas com água e colocou cada uma delas em fogo alto.
Logo as panelas começaram a ferver.
Em uma ele colocou cenouras, em outra colocou ovos e, na última pó de café. Deixou que tudo fervesse, sem dizer uma palavra.
A filha deu um suspiro e esperou impacientemente, imaginando o que ele estaria fazendo. Cerca de vinte minutos depois, ele apagou as bocas de gás.
Pescou as cenouras e as colocou em uma tigela.
Retirou os ovos e os colocou em uma tigela.
Então pegou o café com uma concha e o colocou em uma tigela.
Virando-se para ela, perguntou: "Querida, o que você está vendo? "
"Cenouras, ovos e café" ela respondeu.
Ele a trouxe para mais perto e pediu-lhe para experimentar as cenouras.
Ela obedeceu e notou que as cenouras estavam macias.
Ele, então, pediu-lhe que pegasse um ovo e o quebrasse.
Ela obedeceu e depois de retirar a casca verificou que o ovo endurecera com a fervura.
Finalmente, ele lhe pediu que tomasse um gole do café.
Ela sorriu ao provar seu aroma delicioso.
Ela perguntou humildemente: "O que isto significa, pai? "
Ele explicou que cada um deles havia enfrentado a mesma adversidade, água fervendo, mas que cada um reagira de maneira diferente.
A cenoura entrara forte, firme e inflexível. Mas depois de ter sido submetida à água fervendo, ela amolecera e se tornara frágil.
Os ovos eram frágeis. Sua casca fina havia protegido o líquido interior. Mas depois de terem sido colocados na água fervendo, seu interior se tornou mais rijo.
O pó de café, contudo, era incomparável. Depois que fora colocado na água fervente , ele havia mudado a água.
"Qual deles é você? " ele perguntou a sua filha.
"Quando a adversidade bate a sua porta, como você responde? Você é uma cenoura, um ovo ou um pó de café? "
 E você?
Você é como a cenoura que parece forte, mas com a dor e a adversidade você murcha e se torna frágil e perde sua força?
Será que você é como o ovo, que começa com um coração maleável? Você teria um espírito maleável, mas depois de alguma morte, uma falência, um divórcio ou uma demissão, você se tornou mais difícil e duro? Sua casca parece  ser a mesma, mas você está mais amargo e obstinado, com o coração e o espírito, inflexíveis?
Ou será que você é como o pó de café? Ele muda a água fervente, a coisa que está trazendo a dor, para conseguir o máximo de seu sabor, a 100 graus centígrados. Quanto mais quente estiver a água, mais gostoso se torna o café.
Se você é como o pó de café, quando as coisas se tornam piores, você se torna melhor e faz com que as coisas em torno de você também se tornem melhores.
Como você lida com a adversidade?

Ortografia : Os usos do porques...

ORTOGRAFIA: USOS DO PORQUÊ

Por que, porque, por quê ou porquê???

     Gabriela tem quatro anos e está naquela fase dos porquês. Seu Otávio estava na sala lendo jornal quando...
     - Papai, ____________ você lê jornal?
     - __________ preciso saber das notícias. Respondeu o pai
     Gabi continuou:
     - Saber das notícias ___________?
     - __________ preciso ficar bem informado. O pai respondeu, ainda paciente.
     - ____________ você quer ficar bem informado? Questionou novamente.
     Já cansado, o pai retrucou:
     - Ah, filha! Seus ____________ estão me deixando enrolado...

Então...

POR QUE: ________________________________________________
_________________________________________________________

PORQUE: _________________________________________________
_________________________________________________________

POR QUÊ: ________________________________________________
_________________________________________________________

PORQUÊ: _________________________________________________
_________________________________________________________

·       Agora, marque X na coluna que devemos usar para completar as  das frases abaixo:



por que
porque
por quê
porquê
Marina chorou.     ?




Eu sei o     dessa situação.




     há fome no mundo?




Vou ao parque      gosto de lá.




Você nos chamou      ?




Eu vou dizer o    da minha alegria.




Não sei      ele ainda não chegou aqui.




     eu preciso estudar?




 A professora explicou o    do eclipse lunar.




     eles vivem brigando?




Volte cedo,    é perigoso viajar a noite.




Soube que não gostou do livro.
    ?




Deve ter chovido,     o chão está molhado.